FRAGMENTOS

(de mim)

GRITAR!

porque de vez em quando eu tenho tanta vontade de gritar!! gritar até ficar rouca, até perder a voz. gritar até perder o fôlego, até que não haja mais ar nos meus pulmões, e ainda assim continuar gritando. gritar para ver se quem tá do meu lado me escuta, gritar pro mundo todo me ouvir, para o mundo todo saber que de vez em quando eu tenho vontade de não ser eu mesma. as vezes eu tenho vontade se ser qualquer pessoa, menos eu! mas parece que meu grito é mudo, ou então o mundo todo é surdo, até eu.

24 de julho de 2009 Posted by | monólogos | 1 Comentário

Sem título definido!

eu andei vendo uns blogs, e me perguntando porque eu nunca conseguia ir adiante com os meus blogs. aí eu refleti um pouco mais e percebi que eu dificilmente vou adiante das coisas que eu começo.  eu já comecei a estudar violão, piano, já fiz jazz, ballet, já fui católica, espírita e hoje sou agnostica. eu comprei um livro de culinária, mas até hoje ele tá empurrado na biblioteca, provavelmente cheio de poeira. até pra assistir filmes eu tenho problemas! quando ta mais ou menos na metade eu começo a ficar impaciente, querendo passar as cenas. nos livros, a mesma coisa… nao aguento ler jorge amado, por exemplo, porque acho que ele enrola demaais e fico com preguiça na metade. gosto de livros pequenos, ou que prendam bem a minha atenção… geralmente são policiais ou qualquer coisa do gênero. Aprendi a gostar deles com o André. Fora isso, nunca li esses livros que tdo mundo lê, a menina que roubava livros? achei um saco. O menino de pijama listrado? Saiu o filme agora… talvez eu veja. O caçador de pipas? vi o filme e achei muito triste, por isso nao me interessei em ler depois. no ger, nao gosto muito desses livros sobre o nazismo, acho eles pesados e triste, e eu prefiro coisas alegres, já que convivo com coisas tristes, sofridas e reais diariamente. até a faculdade de medicina eu andei pensando em trancar, ir fazer uma viagem… meu namoro, de 4 anos, teve um break no inicio do ano. não por falta de amor (viu nego?), nao mesmo, mas eu sou complicada, as rotinas se tornam cansativas e eu começo a achar que os momentos que se repetem, se repetem porque não há mais interesse em coisas novas, e se não há interesse é porque falta empenho de ambos os lados. mas isso era o que eu pensava há dois meses atrás, agora eu acho que as rotinas são saudáveis; o importante é saber tirar delas as boas coisas… abstrair, vivê-las sabendo que se se tornou rotina tem dois motivos: ou porque deixamos que se tornasse, ou porque precisamos que se torne. a primeira vale para o amor, a segunda para o trabalho e o estudo. eu so preciso aprender a lidar melhor com isso, e quem sabe que não consiga terminar os meus próprios projetos? dificil, mas eu tenho fé.

beijos  a quem ainda passa por aqui.

13 de abril de 2009 Posted by | monólogos | 4 Comentários

Ser ou não ser? (eis a questão)

acabo de chegar de mais um exaustivo plantão (o que faço na frente do pc? insonia!!)… ainda sinto o cheiro de eter em minhas roupas, ainda me sinto nauseada com as coisas que presenciei. as vezes ponho em palta a minha decisão de ser médica; é uma responsabilidade tão grande! e ela pode ser um dom ou um carma, depende de como você encara. eu espero que seja meu dom, de verdade.

meus pais sao medicos, meu irmão, meus tios, minha irmã mais nova estuda agora para o vestibular de medicina… aí eu me pergunto se faço o que faço porque quero ou porque acho que preciso querer. eu sei que à essa altura (5 anos de curso) eu nao deveria ter mais duvidas, mas se eu dissesse que nao tenho estaria repetindo um possivel erro.

eu so sei que quanto estou entre as paredes daquele hospital eu me sinto util e empenhada, mas ao mesmo tempo apreensiva e assustada… isso é normal? pode ser covardia minha, pode ser passageiro, ou pode ser que eu seja uma enfermeira enrustida.

fico aqui sem respostas, e vou dormir, esperando encontra-las em algumas dessas veredas de minha imaginação. obrigada aos meus fieis (e amados) leitores!!! (oi deco, oi jujuba haushashu)

28 de fevereiro de 2009 Posted by | monólogos | 5 Comentários

Prefácio

essa é a quarta vez que eu faço um blog e, como na primeira vez, eu não sei o que escrever. queria ser uma grande poetiza para deixar aqui esboços de versos meus, fazer do mel e do céu um doce sanduiche de estrelas. mas eu não sou, nem mesmo sem fazer rima, quanto mais imprimir sentimentos nelas, e encantar os outros, e fazer música muda, que se canta com os olhos. pois é… eu também não sem fazer história, nem crônica, nem diário de bordo, nem contos, nem cantos, nem nada. nem mesmo tenho o dom das palavras! as palavras nem mesmo gostam de mim; sempre me pregam peças, me confundem, me enganam… sou muito mais sum olhar,  um carinho, um beijo de quem se quer bem… mas as vezes eu tenho desses  surtos: de querer falar de tudo e não falar de nada; e quando não tiver nenhum ouvido disposto a me ouvir, eu venho aqui, e talvez haja um par de olhos disposto a me ler [sem rima].

27 de fevereiro de 2009 Posted by | monólogos | 2 Comentários